Pular para o conteúdo principal

Será se foi boto sinhô? Mistério à beira do Grande Rio

Há dias que a moça dava sinais de estranheza: pouca conversa, olhar semimorto, rosto pálido e corpo cada vez mais esquio. Nem de longe parecia àquela linda tapuia por quem os corações dos jovens caboclos ardiam em brasa e as paixões eram inevitáveis. Os cochichos na vila davam conta de que ela não era mais moça e, por isso, sofria as consequências. Outros se arriscavam em dizer que aquilo era obra de feitiço. Mas o certo mesmo é que ela não confessava nem sob pena de morte os motivos do comportamento estranho. Mesmo assim, talvez a primeira opção fosse a mais aceitável, já que a moça mantinha um namoro com um belo mancebo da outra margem do Amazonas. Um jovem de beleza rara e vida misteriosa. Ninguém jamais proseara com ele nas festas no barracão. A não ser a jovem tapuia, que com certeza sedia-lhe os ouvidos para declarações românticas como sempre acontece com os jovens enamorados no inicio da paixão. E outro mistério: o jovem garboso só aparecia nas noites em que a lua se escondia.
Naquele final de tarde, quando a boca da noite escurecia ainda mais as águas do Amazonas, a indiazinha piorou: o corpo começou a arder em febre, os olhos avermelharam-se como fogo, o suor-frio umedecia o lençol feito de cortina, a cama rangia assustadoramente. Só a fala não dava sinais de piora ou melhora: permanecia muda.  Com ela no quarto, os familiares e alguns comunitários benziam-se com o sinal da cruz ajoelhados de frente dos santos sobre a penteadeira. Nem as preces fervorosas acalmaram o espírito da jovem. O medo tomou conta de todos. Afinal de contas, que mal era esse que possuía o corpo da pequena cunhatã? E eis então que resolveram chamar inicialmente o padre. Porém, uma velha tapuia advertiu que aquilo não era assunto de homem de igreja, e sim de quem sabia desfazer quebranto. Chamaram então a benzedeira.
A benzedeira não tardou a chegar. Era uma senhora tipicamente cabocla: usava vestidos longos ornados com muitas sementes, no pescoço levava sempre um colar de olho de boi (semente da nossa região) para espantar possíveis quebrantos. No calcanhar prendia um dente de jacaré para salvá-la das picadas de cobras na mata. O semblante era assustador: olhos escurecidos, dentes amarelados. Consequência do tabaco que mascava como se fosse chiclete. Os cabelos definiam-se num amontoado de fios.  Se por um lado faltava-lhe beleza, por outro, sobrava-lhe o dom de decifrar os mistérios que envolvem a alma humana. Assim que entrou na casa - uma tapera de paredes de taipa, teto de palha e assoalho de paxiúba - bateu o barro das sandálias no batente da porta feito de tampinhas de refrigerante. Entrou direto no quarto. Já conhecia bem a casa. Puxou de uma sacola velha que trazia um livrinho de capa amarelada e folhas gastas. Aproximou-se bem da moça. Com as mãos enrugadas sentiu cada parte daquele corpo esquio. Demorou mais na região da barriga. Com grande experiência, a benzedeira nem precisou fazer reza. Guardou o velho livro. Pediu que só a mãe da jovem permanecesse ali. O caso era de família! Sem delongas perguntou a mãe da jovem desde quando aqueles sintomas começaram a se manifestar. A mãe gaguejou na resposta. Mas ainda conseguiu dizer que achava que tudo começara dias antes da filha iniciar namoro. Namorar! Exclamou a velha benzedeira. E é namoro de futricamento? Perguntou.
Por aquelas bandas do amazonas, antigamente, as mulheres casavam moças. A indagação ofendeu a mãe que crente na honra da filha respondeu negativamente. Só depois que a benzedeira afirmou se tratar de caso de homem a mãe forçou a filha a revelar o nome do caboclo. A jovem tapuia cuja fala não havia perdido e que, apenas em casos como esse, fingi-se de muda, nem o nome do garboso mancebo soube dizer. Apenas uma descrição de leve conseguiu lembrar-se: “ele usava na maioria das vezes um terno de linho, chapéu de abas, um vistoso relógio”.  E mais: confessou que todas as vezes que namoravam sentia-se seduzida por um forte cheiro de patichuli, que se (misturava) confundia a um forte piché. E nem sabe Deus como, adormecia e acordava sempre a margem do rio pela metade da madrugada. E quando dava por si corria em disparada para casa.
A benzedeira ouvindo todo o relato da jovem não titubeou no diagnóstico. E secamente afirmou se tratar de caso de homem. Mas que tipo de homem...? Pensou solitariamente.
A mãe ao ouvir as palavras da velha injuriou-se de tanto ódio. Mas o que fazer? O mal já estava feito. O que a filha tinha de mais importante perdera. O jeito em tão era tocar a vida. E esperar... Esperar. Talvez pensasse a mãe. Mistério então resolvido? Se fosse na capital pedia-se DNA na justiça e logo se saberia quem era o pai da criança. Só que por aquelas terras a coisa é bem diferente. Primeiro, espera-se a criança nascer para daí saber se o caso foi só de desonra, de feitiço ou de encantamento. E que Deus a livre deste último.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Como fazer um Relato de Experiência (exemplo) para apresentação em Jornada Acadêmica

Resenha: Versos, Sons, Ritmos GOLDSTEIN, Norma Seltzer. Versos, sons, ritmos. 14ed. São Paulo: Ática, 2008

GOLDSTEIN, Norma Seltzer. Versos, sons, ritmos. 14ed. São Paulo: Ática, 2008.
Resenha: Versos, Sons, Ritmos.  Existe receita mágica para a interpretação de um poema? E para um entendimento abstrato e concreto de uma poesia? Para Norma Goldstein, não! Em Versos, sons, ritmos a autora nos mostra que a análise de um poema é um aprendizado construído em todo o livro. Soma-se a teoria com a prática abordada pela autora. Poemas consagrados pela critica e pelo público servem de ensino-aprendizado. Assim, temos: Carlos Drummond de Andrade, camões, Vinicius de Moraes, João Cabral de Melo Neto e muitos outros. O livro pode ser dividido em duas grandes partes: a) estrutura inerente a composição física do poema; b) estrutura externa (análise levando em conta o leitor, o contexto, período histórico etc.) Na primeira parte, Goldstein apresenta-nos elementos que facilitam a compreensão do poema. São características que constituem o corpo físico do poema, a forma de espécies de poemas diferentes quanto …

Análise do poema A um Poeta de Olavo Bilac

No soneto A um Poeta, temos aí a metalinguagem quando o poeta utiliza-se de um poema para falar sobre o poema, ou seja, este soneto é um poema sobre o poema. Já no primeiro quarteto o poeta fala do exímio oficio de tecer o poema. O local ideal onde as ideias fluem, embora com dor e teimosia. Este é lugar é comparado ao claustro beneditino: “longe do estéril turbilhão da rua/ beneditino, escreve! No aconchego/ do claustro, na paciência e no sossego, trabalha e teima, e lima, e sofre, e sua”! No segundo quarteto apresentam-se os cuidados que se precisa ter para a criação do poema, onde o poeta admite uma forma para o poema onde não transpareça o trabalho exigido pela criação: “mas que na forma se disfarce o emprego/ do esforço; e a trama viva se construa/ de tal modo, que a imagem fique nua,/ rica, mas sóbria, como um templo grego”. O poeta chega ao primeiro terceto dando mostras do resultado do trabalho feito, destacando principalmente a beleza o que se identifica com os princípios clá…

Análise da obra O Primo Basílio, de Eça de Queirós

De autoria de José Maria Eça de Queirós, O Primo Basílio é uma “fotografia” que revela a falsa moral presente nas famílias, aparentemente, de bem da sociedade burguesa de Portugal. Narrado em terceira pessoa, o tema central do livro é a infidelidade amorosa cometida por Luísa para com seu marido Jorge. O grande amante dessa situação é Basílio primo de Luísa, e que no passado foram amantes juvenis. Além da infidelidade, essa relação proibida dos amantes, gera uma ação de chantagem por parte da criada Juliana. O enredo Como já citado, a trama gira em torno do ato de traição que Luísa, esposa de Jorge, realiza com seu primo Basílio. Embora o casal Jorge e Luíza levasse uma vida feliz perante aos olhos da sociedade, a monotonia desgastava a relação dos dois. O que abriu portas para a infidelidade de Luíza, já que não se sentia mais amada e completada pelo homem com quem dormia. Aliás, na descrição que o próprio Eça de Queiróz faz na carta a Teófilo Braga, Luísa é "a burguesinha da Ba…

Análise do poema Lembrança de Morrer de Álvares de Azevedo

De autoria de um jovem poeta, a quem a morte não permitiu usufruir dos prazeres juvenis, Lembrança de Morrer traduz o extremo subjetivismo, à Byron, muito bem expresso numa temática emotiva de amor e morte. Aliás, é justamente dentro dessa temática que o poema representa a segunda fase do nosso Romantismo conhecida como Ultra-romantismo.  Desde a primeira estrofe o sentimento de melancolia vem à tona: “quando em meu peito... não derramem por mim nenhuma lágrima”. Ainda nessa estrofe percebemos a presença da linguagem de um poeta muito jovem, num inventário lexical onde o ser “foge à rotina, envisgando nos aspectos mórbidos e depressivos da existência:“pálpebra demente””(Alfredo Bosi). O poema segue na cadencia angustiada do poeta. Cada estrofe exemplifica o tédio existencial do eu-lírico. Existência angustiante que somente a morte simbólica pode ser a saída: “eu deixo a vida como deixa o tédio...”. e que, se a morte concretizada, apenas algumas lembranças o eu-lírico sentirá saudade, m…

O que se estuda no Curso de Letras?

Análise do poema Tabacaria de Fernando Pessoa

Navegar é preciso, viver não é preciso; Viver não é necessário; necessário é criar”./ “Tornar minha vida grande, ainda que o meu corpo tenha de ser lenha desse fogo”. “Como empurrado contra o mar, toda a sua história (de Portugal), literária e não, atesta o sentimento de busca dum caminho que só ele representa e pode representar” (MOISÉS, 2004:13). Prova disso, são os versos pessoanos de que “Navegar é preciso, viver não é preciso”. Ora, esse verso somado a “Tornar minha vida grande, ainda que o meu corpo tenha de ser lenha desse fogo”, também inserem a arte a partir do ponto de vista do existencialismo. Ainda segundo MOISÉS (2004:178) agora no seu Dicionário de Termos Literários, o Existencialismo enquanto corrente filosófica dirigi-se para a essência do individuo. E enquanto elemento empregado na arte literária centra-se a sua atenção no desvendamento da existência. Fernando Pessoa expressa claramente essas afirmações nos versos já citados. Ele próprio, enquanto poeta, buscou e…

Um rio d'ouro

Um rio d’ouro deságua no meu peito, onde estarão teus poetas? Como negar silhuetas de montanhas na tua alma? As lágrimas e o sangue entrelaçados nessa tua tez de barro; não, não, eu prometo não chorar pelos teus melhores filhos, prefiro sentir o aroma das gordas piracemas, ouvir a chuva naquelas inesquecíveis palhas, hoje eu até fumaria pra embebedar-me do teu silêncio, pra sentir a integridade dos frutos dos teus cílios, pra reacender tuas velhas fontes e evitar que me leves ao mar porque não sei mais das tuas aldeias anciãs e nem quero esquecer a voz dessa cidade.

Resumo do Livro: A Poesia Lírica, Salete de Almeida Cara

No momento em que o homem grego, vendo sua vida cada vez mais submetida às leis da “polis”, resolve criar um modo de expressar-se de forma individual, nasce à poesia lírica. Era uma poesia para ser cantada com acompanhamento musical, geralmente a lira. As mais importantes foram: a poesia mélica (de “melodia”), a poesia de coro e as elegias que glorificavam deuses e vencedores de jogos, assemelhando-se assim a poesia épica. É na própria Grécia, com Platão e Aristóteles, que surgem os primeiros estudos sobre a poesia lírica ou mais precisamente sobre a poesia em geral. Para Platão, a poesia soma-se aos elementos do mundo vicário da imitação, pois nada mais é que uma imitação da imitação. No livro a República, Platão é o primeiro a tratar sobre uma teoria dos gêneros literários em que atribui à poesia função menor. Segundo a conceituação de poesia apresentada pela teoria dos gêneros, a poesia lírica seria o poema de primeira pessoa ou primeira voz. Já para Aristóteles, não somente a poes…

Análise do conto O Baile do Judeu, de Inglês de Sousa.

Em O Baile do Judeu, Inglês de Sousa cerca-se de vários elementos que constituem o imaginário do homem amazônico para narrar uma da lenda muito conhecida do caboclo da Amazônia: a lenda do boto. Esses elementos constituídos ao longo da narrativa iniciam já no espaço onde a história acontece: a casa do judeu.
É preciso entender, primeiramente, que segundo o que se sabe sobre a lenda do boto é que ele se metamorfoseia em homem e seduz as lindas caboclas em bailes a beira do rio. E a sedução contada no conto se dá na casa de um judeu.
A primeira manifestação do imaginário do homem amazônida é o medo em participar do baile justamente por ser na casa de um judeu. Aqui é preciso lembrar que sobre o povo judeu recai a culpa pela condenação e crucificação de Cristo. Por isso, para o baile, nem o vigário e o sacristão foram convidados. E os que foram, aceitaram o convite, embora temerosos de acontecer-lhes algum castigo. Como mais tarde, supostamente acontecera, aos integrantes da banda que des…
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...