sexta-feira, 16 de setembro de 2016

Óbidos e a morte de seus casarios



No último dia onze um “crime” chocou parte da população de Óbidos. Embora, tenha sido um crime bárbaro diante dos olhos de alguns, a fatalidade não fez nenhuma vítima humana, não deixou ninguém ferido. Mas matou parte da história dos obidenses ainda preservada nas ruinas da fachada do casario da Bacuri. Isso mesmo, o crime aqui metafórico, diz respeito à morte de mais um casario na cidade que ainda é conhecida como a mais portuguesa da Amazônia (digo que ainda é, pois no andar das demolições não saberemos até quando poderá ostentar tal título).

O casario em questão, era aquele situado na rua Deputado Raimundo Chaves, s/n, no centro histórico de Óbidos. A casa funcionou de sede da empresa francesa “Compagnie Agricole et Commerciale du Bas Amazone”, em 1907. Lá também serviu de residência para o senador e intendente municipal Correa Pinto.

Atualmente, da imponente residência do passado, restavam apenas ruinas e memórias nas lembranças daqueles que um dia puderam contemplá-la em sua originalidade. Esse estado de abandono fez com que muitos cidadãos tivessem a ideia errônea de que o único fim seria mesmo a demolição. No entanto, especialistas afirmaram que ainda era possível preservar a faixada com o uso de técnicas modernas. Porém, o destino foi mesmo à derrubada para erguer em seu lugar uma agência bancária.

Este casario serve de exemplo para refletimos como a memória do município é tratada, tanto por parte do próprio município como também pelo poder público estadual. Ressaltamos que, no caso em questão, algumas vozes se levantaram a favor da recuperação do casario como o ministério público, que recomendou nas duas últimas gestões municipais o tombamento do imóvel (não atendido pelas gestões municipais). O esforço de entidades como a AAPBEL, a ARQPEP e a ASAPAM que pediram o tombamento do casarão junto ao DPHAC/SECULT, numa tentativa de obter uma ação mais efetiva dos órgãos de preservação no sentido de sua salvaguarda.

Diante disso tudo, devemos nos perguntar por que uma cidade tão histórica como Óbidos não preserva seus casarões antigos? Por que o município não cria uma politica efetiva de parcerias para preservação desses casarios? Por que não se vê na cidade uma campanha de conscientização quanto à educação patrimonial? São questionamentos importantes, pois assim como a casa da bacuri temos outros imóveis e bens tombados que caminham para o mesmo destino. E o que é pior: com apoio de muita gente que ainda não compreendeu a importância de preservar o maior patrimônio do município: seus casarões históricos.

domingo, 11 de setembro de 2016

RETORNO AO PEDAL: IGARAPÉ DO CURUÇAMBÁ


Depois de muito tempo parado das pedaladas mais longas, e do final de vinte sessões de fisioterapia do meu joelho, resolvi retomar os prazeres do pedal ainda que de forma bem tímida.

Acordei cedo. Os primeiros raios solares logo despertaram. Tomado o café arrumei todos os apetrechos que sempre levo comigo: celular, câmera, mochila, etc. Feito isso, foi hora de pegar a bike e partir rumo à estrada até o Igarapé do Curuçambá.

A manhã estava muito boa para uma pedalada: sobra e sol frio (isso só no início). A estrada, embora seja de areia dessas que quando molhada parece que sugam o pneu, estava bem conservada e na maior parte do trecho, seca.

Fui pedalando num ritmo bem leve, vivenciando o momento. Ao longo do caminho percebi que há pessoas que utilizam esse trecho para prática de exercícios como corrida e caminhada. E nesse pedalar, depois de mais ou menos 40 min já estava diante das águas gélidas do igarapé.

Tendo chegado ao destino resolvi esticar um pouquinho mais o percurso indo pouco mais além. Na volta, mergulhei em águas geladas permanecendo ali por quase meia hora.  










sábado, 3 de setembro de 2016

O trabalho de Wildson Queiroz




Em Alenquer, o trabalho de um professor pedagogo se destaca. Estou falando de Wildson Queiroz um santareno que desde os oito anos de idade vive em terras ximangas.
Wildson é um daqueles historiadores que visa promover o resgate da cultura local. Seus trabalhos versam sobre personagens folclóricos ou pitorescos peculiares a cidades pequenas, como é o caso de Alenquer. Esses personagens são no geral contadores de histórias ou estórias ximangas como podemos citar o grande alenquerense Aldo Arrais ou o Seu Waldinor em livros organizados por Wildson Queiroz. Além desses, o professor Wildson tem grande admiração pela obra do escritor nacional, nascido em Óbidos – Pará, Inglês de Sousa. A respeito deste, já publicou diversos artigos tendo como referência seus romances e contos amazônicos. Recentemente lançou o livro Inglês de Sousa O romancista do baixo amazonas (uma reunião de artigos publicados na internet). Outro trabalho deste professor é o Jornal de História da Cidade de Alenquer (hoje somente Jornal de História) onde atua como Editor. 



sexta-feira, 2 de setembro de 2016

Programação do IX Salão do Livro do Baixo Amazonas: de 02/09 a 11/09 no Parque da Cidade, Santarém Pará

A escritora homenageada será a paraense, Amarílis Tupiassú, graduada em Letras pela Universidade Federal do Pará (UFPA). Ela possui mestrado e doutorado pela Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ).



Neste ano, o Salão recebe os visitantes com 30 estandes, sendo 25 do Pará e 05 de outros estados e 150 editoras representadas, com mais de 22 mil títulos expostos. Aguarda-se a geração de 170 postos de empregos diretos e indiretos.




Programação



Dia : 02/09 – Sexta-Feira

Evento: Cerimonial de Abertura

Apresentação Cultural: Filarmônica Municipal de Santarém

Local: Espaço Pérola

 Hora: 19h 

Dia: Dia 03 –  Sábado

Evento: Banda-Projeto  Paralelo (IFPA)

 Hora: 18h30 às 19h30

Espaço: Palco Principal

Dia: 03 -  Sábado

Evento: Banda de Música do IFPA

Hora: 19h30 às 20h30

Espaço: Palco Principal

Dia: 03 Sábado

Evento: Show Lítero Musical "Vou de contar" (Grupo de Teatro Simpirilim - Belém/PA)

Hora:  20h30 às 22h

Espaço: Palco Principal

Dia: 03 -  Sábado

Evento: Projeto Ciranda de Artes

Hora:  15h  às 18h

Espaço: Espaço Infantil - Lúdico Educacional Área Interna

Dia 03: - Sábado

Evento: Projeto Ciranda das Artes

Hora: 19h às 22h

Espaço: Espaço Infantil - Lúdico Educacional Área Interna

Dia:  03 - Sábado

Evento: oficina de Brinquedos de E.V.A.

 Hora: 15h às 18h

Espaço: Espaço Infantil - Área Interna Biblioteca Municipal

Dia: 03 - Sábado

Evento: Atividades lúdicas

Hora: 19h às 22h

Espaço: Espaço Infantil – Área Interna Biblioteca Municipal

Dia: 03 -  Sábado

Evento: Revista do Instituto Histórico do Tapajós-IHGTap

Hora: 20h 30

Espaço: Sessão de autógrafos – Prefeitura de Santarém

Dia:  04 –Domingo

Evento: Contação de Histórias (IURUPARI – UFOPA)

Hora: 18h às 19h 30