quinta-feira, 13 de abril de 2017

Onde compro meus livros?



Pensando em compartilhar informações sobre compra de livros na internet, principalmente para quem mora em Óbidos Amazônia e municípios vizinhos, é que pensei na elaboração deste post.
Desde a minha graduação em Letras adquiri o hábito de comprar livros. Inicialmente, comprava em sites como: Americanas, Submarino e Saraiva. Na Livraria Saraiva cheguei a comprar bastante. O fato de comprar pela internet foi motivado principalmente pelo preço ser bem mais baixo que nos locais de venda em Santarém. Outro motivo, pela pouca oferta de livros específicos para minha área de estudo e pesquisa.
Só muito tempo depois é que me foi apresentado um site que eu considero o melhor para comprar. Trata-se da Estante Virtual. Que como o próprio nome sugere é uma grande estante virtual de livros. Na verdade uma sebaria virtual onde encontramos de quase tudo e preços para todos os bolsos.
Agora residindo em Óbidos, onde não há livrarias e onde tem apenas uma banca de revista, o site da Estante Virtual me tem sido de grande valia. Recentemente fiz uma compra pela Livraria Saraiva mas ia demorar quase dois meses para que os livros chegassem. Então, cancelei a compra e depois de quase sete dias fui reembolsado normalmente por meio de transferência bancária. Refiz a compra dos mesmos livros pela estante virtual (desta vez mais baratos), e o primeiro livro de um pedido de quatro chegou depois de sete dias corridos.
É seguro comprar por esse site? Sim. Já comprei mais de 100 livros e nunca tive problema algum.
São livros novos e usados, como citei anteriormente, e todos eles estão descritos fisicamente tal como o livro é: se estão sujos, amarelados, rasgados, novos, seminovos etc. Outra vantagem é que você recebe seu código de rastreio do pedido e poderá acompanha-lo (eu uso um aplicativo chamado correio fácil e fico sabendo exatamente quando o pedido saiu para ser entregue).   
Para você que não conhece não irá se arrepender de comprar.



segunda-feira, 10 de abril de 2017

Lago Pauxis, Óbidos – Amazônia



Definitivamente, a natureza é o maior ponto turístico que podemos encontrar em Óbidos (além, claro, dos ainda existentes casarios). E prova disso, é o Lago Pauxis situado entre a cidade e a Serra da Escama.
Também conhecido como laguinho o lugar é muito propício para quem gosta de sentir-se para da natureza. Caminhar ao amanhecer ou mesmo no finalzinho da tarde e poder apreciar o vou das garças, ou o vai vem de pequenas embarcações. Um ótimo lugar para colocar-se diante de si mesmo. Sentir o calmo barulho das águas.
As fotos falam por si só.
Venha você conhecer este pedaço da natureza obidense




sexta-feira, 24 de março de 2017

Diante das Fotos de Tiago Silveira



Hoje, o blog encerra as postagens intituladas “Diante das Fotos de...”.

O objetivo foi apresentar ao público o olhar fotográfico de alguns fotógrafos (amadores ou não) que sigo no Facebook e que fazem da fotografia um modo de divulgação das belezas naturais do oeste paraense. Essas pessoas não vivem da fotografia. A utilizam apenas como um modo de ver a vida. Por isso, das escolhas. E hoje, para fecharmos com chave de ouro, apresentaremos o trabalho do grande fotógrafo Tiago Silveira, o monokromatiko.

Antes de um artista das imagens em preto e braço, Tiago Silveira é Doutor universitário atuando na Universidade Estadual do Pará – UEPA Campus Santarém. Segundo ele mesmo, o trabalho com a fotografia vem em segundo lugar. E por já mencionar seu trabalho fotográfico suas fotografias abrem espaço para várias possibilidades de leitura. E uma delas diz respeito “A representação do eu feminino com o elemento água, fundamental aos povos amazônicos tradicionais. Força e fluidez”. Conforme ele mesmo define a representação de suas imagens feitas a partir da representatividade imagética de caboclas indígenas na vila de Alter do Chão.

Mas seu olhar não retrata apenas as simbioses da cultura amazônica expressa nas caboclas. Sua percepção artística representa com movimento a arte expressa na dança do carimbó, por exemplo. Ou força dos povos indígenas expressa em jogos. Ou ainda, também, a representatividade do cotidiano captada pelos diversos lugares que visita.