segunda-feira, 18 de fevereiro de 2013

Como fazer um Relato de Experiência (exemplo) para apresentação em Jornada Acadêmica


Muitos graduandos quando se deparam com a tarefa de apresentar um trabalho em uma Jornada Acadêmica chegam a muitas vezes a desistir da apresentação pelo fato de não conhecerem o gênero textual no qual o trabalho será exposto. Para quem já participou de uma Jornada sabe que existem diversos modos de apresentação de trabalho, entre eles está o Relato de Experiência.  Como o próprio nome já diz, trata-se de um trabalho no qual o acadêmico compartilhará a sua experiência vivenciada. Essa experiência tem que ser significativa para o campo do qual o trabalho se pauta. Caso contrário não passará na avaliação de resumos. Mas como fazer um relato de experiência?
A primeira coisa a fazer é ler cuidadosamente o edital da Jornada. Lá estará dito às regras que orientaram a produção de resumos dos trabalhos. Uma coisa o participante tem que levar em conta: no relato de experiência, conte – dentro do limite dos caracteres – de forma bem clara todo o processo da sua experiência. Se você fizer isso já contar que seu trabalho terá grandes chances de ser aceito. Na apresentação que fiz na UFOPA, o edital trazia as seguintes considerações:
1) Relato de experiências: trata do informe de experiências vivenciadas ou atividade prática contendo tanto impressões reais quanto psicológicas e críticas que sejam importantes de serem compartilhadas. Deve-se apresentar rapidamente o problema, em seguida as metodologias utilizadas e por fim, o relato da experiência, de modo impessoal, informando o público-alvo e demais dados que venham mostrar ao leitor a pertinência do relato, destacando possíveis questionamentos, soluções e intervenções.
No exemplo abaixo tente perceber tudo isso.

RELATO DE EXPERIÊNCIA DE INICIAÇÃO À DOCÊNCIA POR MEIO DA INTERVENÇÃO DE NARRATIVAS AMAZÔNICAS EM SALA DE AULA: DE INGLÊS DE SOUSA A MILTON HATOUM1
                                                            Rômulo José da Silva Viana2

Para um acadêmico se tornar um bom professor, necessita não somente do conhecimento teórico, mas de uma boa iniciação ao exercício da prática docente (aqui uma pequena introdução). Com o objetivo de demonstrar essa importância na formação dos futuros professores é que relataremos as experiências vivenciadas enquanto bolsistas do Programa Institucional de Bolsa de Iniciação à Docência (PIBID), instituído pelo Ministério da Educação e gerenciado pela CAPES. Este programa vinculado a UFOPA, desde 2011, junto ao subprojeto em Letras, que tem por objetivo aplicar a experiência da docência a partir do ensino da Literatura de Expressão Amazônica, nos coloca em total contato com a vivencia do professor da rede pública (neste parágrafo percebemos o objetivo de forma clara, e a explicação do que é o PIBID). Nesse sentido, atuamos na Escola Estadual de Ensino Fundamental e Médio Rio Tapajós, em 03 turmas do primeiro ano médio, sob a supervisão da professora Ilcilene, na preparação e intervenção em sala de aula com narrativas amazônicas de autores como Inglês de Sousa e Milton Hatoum (descrição do local onde a experiência aconteceu). A metodologia usada foi distribuir as narrativas (O Baile do Judeu, a feiticeira, A Casa Ilhada, O adeus do comandante e Dançarinos da Última Noite) entre os bolsistas. Cada bolsista acompanhou 03 grupos de alunos desde a leitura inicial dos contos visando o entendimento do enredo, passando pela produção dos Mapas Mentais em papel madeira com o objetivo de construir a trama presente no conto, partindo do personagem central, até o fechamento da atividade com a Contação de Histórias, em que cada grupo narrou o seu conto enfocando a linguagem amazônica (metodologia explicada passo a passo). O resultado dessa intervenção foi muito positivo, pois os alunos corresponderam as nossas expectativas: leram seus contos, elaboraram de forma bastante artística seus Mapas Mentais e por fim transformaram-se em verdadeiros caboclos contadores de histórias (o resultado da intervenção). Nesse processo de acompanhamento dos alunos é que se percebe a importância do PIBID na formação de futuros professores. Pois, estando em contanto com os alunos colocamos em prática o que estudamos na faculdade, vivenciamos a rotina de preparação de plano de aula, preparação de provas, correção de trabalhos sempre com o acompanhamento da professora supervisora. Ou seja, somos colocados em situação real de prática docente o que é muito importante na nossa formação enquanto acadêmicos de licenciatura (por fim, é relatado a importância desse projeto na formação do futuro professor).

Palavras-chave: PIBID, narrativas amazônicas, prática docente.
Área Temática: Linguagens e Artes
Subárea: Literatura
Modalidade: ORAL (X)

Este post ajudou vc? Então, deixe seu comentário para que os posts possam melhorar a cada dia.



17 comentários:

  1. Muito pertinente a forma de explicar e exemplificar o que é um Relato de Experiência.

    ResponderExcluir
  2. Obrigado pela visita e pelo comentário. Continue nossa leitora.

    ResponderExcluir
  3. Fernando O. Gonçalves7 de novembro de 2013 16:35

    Achei muito boa a postagem. Mas o relato de experiência é um relato apenas em texto? Deve haver algum tipo de apresentação oral sobre o mesmo?

    ResponderExcluir
  4. Olá meu caro Fernando, primeiramente obrigado pelo comentário. Com relação a seus questionamentos o modo como você apresentará seu trabalho dependerá de sua escolha. Há duas modalidades: POSTER e ORAL. Se vc escolheu apresentação oral terá que apresentar seu trabalho, oralmente, para um público e uma comissão do evento. No meu caso tive 15 minutos para apresentar seguidos de perguntas e intervenções da comissão. Essa apresentação é feita em slides de forma suscinta destacando os pontos principais do trabalho. Lembrando que deve ter introdução, desenvolvimento e uma conclusão sobre a experiência relatada. Espero ter ajudado

    ResponderExcluir
  5. Prof. Existe alguma literatura sobre relato de experiencia. Que possa me indicar.
    Obrigada.

    ResponderExcluir
  6. Excelente!! Simples e muito esclarecedor!

    ResponderExcluir
  7. O relato de experiência precisa sempre colocar o nome da instituição e projeto que ocorreu a experiência?
    Precisa comunicar a instituição que estou fazendo um relato sobre ela?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá meu caro, primeiramente obrigado pela visita e comentário. Com relação as suas dúvidas, em primeiro lugar, como você estará relatando uma experiência é obrigatório relatar o projeto e onde ele aconteceu. Não é obrigatório e nem acho necessário você comunicar a instituição onde voce realizou sua experiência comunicá-la de sua publicação

      Excluir
  8. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir

Gostou? Deixe sua opinião